Feito é melhor que perfeito

“Because the truth of the matter is, most people don’t finish things! Look around you, the evidence is everywhere: People don’t finish. They begin ambitious projects with the best of intentions, but then they get stuck in a mire of insecurity and doubt and hairsplitting… and they stop.
So if you can just complete something – merely complete it! – you’re already miles ahead of the pack, right there.
You may want your work to be perfect, in other words; I just want mine to be finished.”

Elizabeth Gilbert in Big Magic


Gosto muito do livro Big Magic da Elizabeth Gilbert e lembrei-me desta passagem preciosa exatamente porque hoje venho falar sobre esta questão de nos deixarmos bloquear pela perfeição.

Vou contar-te uma história sobre o último artigo que publiquei aqui no blog sobre os recursos. Escrevi esse artigo num final de dia entre uma conversa no messenger e pouca inspiração. Não estava propriamente focada, mas sabia o queria dizer. Como é habitual revejo sempre os artigos antes de os publicar e se tiver bem mais inspirada sou capaz de fazer alterações substanciais. Pois bem, quando no feriado me sentei à secretária para começar a revê-lo a minha mãe entra-me pelo quarto a convidar-me para ir ver o mar. Estava um dia lindo, era feriado e eu agora não tenho carro. Ou seja, era uma oportunidade a que não podia dizer que não. Mas, pedi-lhe meia hora. Tinha meia hora para rever o texto, escolher e editar uma imagem, publicá-lo, preparar o texto para promover nas redes sociais e agendar a publicação. Pode parecer muito tempo, mas para mim não era. E foi assim que me limitei a fazer uma revisão básica no texto. Quando terminei estava longe de estar satisfeita. Apesar de ter a informação que queria passar, achava que o texto estava mal escrito e fora dos meus padrões de qualidade. Ainda por cima era o meu primeiro artigo depois de lançar a marca e não estava nada contente com ele. Isto fez-me ponderar não o publicar, mas o meu pragmatismo não me deixou recuar. Segui como planeado e publiquei-o tal como estava.

E sabes o que aconteceu? Foi dos artigos que escrevi para o blog dos quais recebi melhor feedback. E eu que estive quase para não o trazer ao mundo. Ironia, hein!

O que te quero fazer refletir com isto é que não nos podemos deixar travar pelo nosso perfecionismo. É importante sim termos um padrão mínimo de qualidade, mas o mais importante é nos focarmos no objetivo daquilo que estamos a fazer. O meu objetivo com aquele artigo era passar a mensagem e essa estava lá clara. Podia não estar escrita da melhor maneira, mas o meu principal objetivo não era escrever um artigo bem escrito, que soasse maravilhosamente bem e cumprisse todas as regras da boa escrita. Por isso, se cumpria o seu propósito tinha o suficiente para ver a luz do dia.

Quantas coisas tens por terminar? Quantos projetos tens na gaveta em que só te falta trazê-los ao mundo? O que andas a evitar concluir porque dizes que não está perfeito? Que inseguranças te andam a travar?

Pensa, aquilo que já fizeste é suficiente para cumprir o seu objetivo? Se é, então avança. Pois se terminares algo e trouxeres isso ao mundo, já vais fazer mais do que a maior parte das pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ebook - Como Ganhar Segurança para Mudar de Vida

E-BOOK GRATUITO
COMO GANHAR SEGURANÇA PARA MUDAR DE VIDA

Subscreve a newsletter para receberes o e-book.