Como olhas para as situações de crise?

Qual costuma ser a tua reação perante os desafios que a vida te apresenta?

Não raras são as vezes que parece que várias coisas más se unem para nos prejudicar a vida. Normalmente, quando acontece algo menos bom que não estávamos à espera vem logo atrás mais uma ou outra novidade menos agradável. Há vezes em que nos sentimos a rebolar no meio das ondas e quando conseguimos finalmente levantar a cabeça e abastecer-nos de oxigénio levamos logo com outra onda em cima. Trambolhão atrás de trambolhão. É verdade, a vida lá tem as suas razões, mas há alturas que não nos facilita nada a nossa caminhada.

E como lidamos nós com as situações mais críticas que a vida nos apresenta? Creio que a maior parte de nós, inevitavelmente, entra numa espiral negativa. Não compreende porque está a passar por essa situação e o que fez de mal para merecer isso. Por norma, vitimizamo-nos, queixamo-nos, deprimimos. Limitamo-nos a ver o cenário negro e sem forças para dar a volta por cima.

Eu acho que é exatamente nestas alturas que temos de trazer ao de cima o nosso melhor. Acredito sinceramente que nada acontece por acaso e que até as coisas negativas que nos acontecem têm uma razão positiva. Posso não conseguir vê-la no imediato, mas mais à frente provavelmente vou conseguir percebê-lo. Acredito que a vida sabe exatamente aquilo que vamos aguentar e aquilo que nos dá serve exatamente para nos manter equilibrados.

Lembro-me que quando o meu avô ficou doente com uma doença terminal eu estava desempregada. Ok, estar desempregada era uma coisa má, mas se não estivesse desempregada nessa altura eu nunca teria conseguido dar o apoio que dei ao meu avô. E eu sabia disso, sabia disso ao ponto de por momentos desejar não arranjar emprego porque algo em mim me dizia que assim que eu arranjasse emprego o meu avô morreria. Era a vida a equilibrar-se, a dar-me uma coisa boa para depois eu aguentar uma coisa muito má. E sabes o que aconteceu? Eu comecei a trabalhar num dia e nessa mesma noite o meu avô morreu. E, sinceramente, se não estivesse a trabalhar não sei se teria aguentado.

É assim que gosto de olhar para as situações de crise. Gosto de perceber qual a parte boa delas, gosto de perceber quais os ensinamentos que elas me trazem. Porque trazem sempre. E, normalmente, as coisas más só param de nos acontecer exatamente quando percebemos o que é suposto fazermos com elas.

Desde que comecei a estudar numerologia, esta ideia ainda ficou mais clara para mim. De facto, é suposto nós construirmos determinado caminho, mas se estamos constantemente a seguir o caminho errado, a vida vai colocar-nos uma pedra à frente as vezes que forem precisas até decidirmos mudar o nosso rumo.

Por isso, sempre que algo de menos bom me acontece gosto de tentar perceber o que é suposto tirar disso, qual a mensagem que isso me traz, para onde isso me está a encaminhar. E sempre que o entendo logo, trato de tirar o melhor partido da situação.

Em 2017, quando decidi ir viajar por um ano tinha pensado pedir ao meu irmão para ficar a viver na minha casa enquanto eu estivesse fora. Tinha uma casa que gostava e com uma renda bastante acessível e sabia que quando voltasse não iria conseguir nada do género. Mas, entretanto, recebo a notícia que o meu senhorio tinha morrido e que a casa iria ser vendida. O meu contrato estava quase a acabar, por isso quase de certeza que as condições vantajosas que eu tinha iriam mudar. Este foi o meu primeiro foco, um foco negativo. Mas depois, parei para pensar e perceber o que a vida me estava a dizer. A vida estava a mandar-me desapegar. E esse foi o empurrão certo para eu não só ir fazer uma viagem pelo mundo, mas fazer uma transformação total na minha vida. E foi assim que vendi o máximo de coisas que tinha e entreguei a casa. Desapeguei-me de tudo e parti para o mundo completamente livre.

Provavelmente, se não o tivesse feito ter-me-ia visto com um problema gigante entre mãos enquanto estava do outro lado do mundo.

Por isso, não tenho dúvidas nenhumas que a maneira como olhamos e lidamos com as nossas situações de crise define o melhor ou o pior que retiramos da vida.

E tu, como olhas para as situações de crise? Também costumas tentar perceber o que elas te estão a dizer? O que te está recorrentemente a acontecer de menos bom e sobre o qual ainda não mudaste de atitude? O que podes mudar já para tirar o melhor partido das situações de crise?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ebook - Como Ganhar Segurança para Mudar de Vida

E-BOOK GRATUITO
COMO GANHAR SEGURANÇA PARA MUDAR DE VIDA

Subscreve a newsletter para receberes o e-book.